pedagogia
host
radios

Grupo protesta em defesa da liberdade acadêmica após professora ser intimada por 'doutrinação feminista' na BA

Por Redação ZERO71 em 24/11/2021 às 16:06:29
Manifestação acontece em frente à Dercca e conta com a presença de alunos, professores, além de representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Educação da Bahia (APLB). Grupo protesta em defesa da liberdade acadêmica após professora ser intimada por 'doutrinação feminista' na BA

Divulgação/APLB

Um grupo protesta em defesa da liberdade acadêmica, nesta quarta-feira (24), em frente à Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Dercca), em Salvador. O ato ocorre após uma professora ser intimada por "doutrinação feminista e conteúdo de cunho esquerdista".

Professora de Filosofia na Bahia é intimada por 'doutrinação feminista'

A situação envolvendo a professora aconteceu no Colégio Estadual Thales de Azevedo (CETA), que fica no bairro do Costa Azul, e foi registrado na Dercca.

No boletim de ocorrência, a mãe da estudante relatou que a filha teria sofrido constrangimento na escola, em decorrência de sua opinião política, e teria sido hostilizada por colegas e impedida de participar de atividades em grupo, sob consentimento da professora. [Relembre o caso no fim da matéria]

A manifestação desta quarta-feira conta com a presença de alunos, professores e representantes do Sindicato dos Trabalhadores da Educação da Bahia (APLB). Segundo a Transalvador, o protesto não atrapalha o trânsito.

Durante o ato, os manifestantes seguraram faixas, bandeiras e cartazes, com frases em apoio à professora e à liberdade: "Queremos uma escola onde a liberdade de expressão seja aplicada para os professores".

Grupo protesta em defesa da liberdade acadêmica após professora ser intimada por 'doutrinação feminista' na BA

Divulgação/APLB

Relembre o caso

O caso veio à tona após o Colégio Estadual Thales de Azevedo divulgar uma nota de repúdio depois que a professora de Filosofia foi intimada. Giltânia Aquino lecionava sobre Iluminismo e passou mal quando recebeu a intimação. Ela deu entrada no Hospital da Bahia, na capital baiana, na quarta-feira (17), foi medicada e já recebeu alta médica.

Em posicionamento oficial, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB) negou a versão da mãe da estudante. Segundo o APLB, trata-se de "tentativa de intimidação, coação e pressão psicológica por grupos de extrema direita", para reprimir a liberdade de expressão e tumultuar aulas e algumas atividades propostas pelos professores e professoras.

Também em nota oficial, o CETA informou que a intimação fere a liberdade e autonomia pedagógica, que são princípios constitucionais, além de interferir na autonomia de projeto de formação humana, crítica e socialmente ativa. Disse ainda que as alegações têm provocado o “enviesamento dos conhecimentos historicamente construídos e dos fenômenos sociais, em silenciamento dos docentes”.

Colégio Estadual Thales de Azevedo, no bairro do Costa Azul, em Salvador,

Reprodução/TV Bahia

Na sexta-feira (19), um grupo de estudantes do Colégio Estadual Thales de Azevedo fez um protesto à favor da professora. Eles disseram que uma das colegas não queria que o tema fosse discutido em sala de aula. A professora, então, pediu que a garota se retirasse da sala.

Os manifestantes disseram que uma das colegas não queria que o tema fosse discutido em sala de aula. A professora, então, pediu que a garota se retirasse da sala. A estudante saiu da escola e, junto com a mãe, registrou o caso na Derrca, que intimou a professora a prestar esclarecimentos.

Estudantes protestam em apoio a professora que foi convocada a prestar depoimento após aula em Salvador

Reprodução/TV Bahia

Os estudantes informaram que a professora nunca impôs ideologias ou induziu alunos a concordarem com os posicionamentos políticos dela. E declararam que apoiam a maneira com que ela conduz o trabalho e fizeram o ato para que ela se sinta acolhida pela classe estudantil.

Os alunos também informaram que outros estudantes passaram a ameaçar a aluna que registrou ocorrência policial contra a professora e acrescentaram que ela havia sido transferida de turma outras vezes pela dificuldade de relacionamento.

Em nota, a Secretaria de Educação informou que ao tomar conhecimento da intimação da professora, o secretário da Educação, Jerônimo Rodrigues, acompanhado pela assessoria jurídica da SEC, se reuniu com a servidora, o corpo docente e os gestores escolares na unidade escolar.

Segundo a SEC, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) foi acionada e informou que prestará toda a assistência jurídica à professora, além de acompanhar a oitiva. Também foi disponibilizada a equipe de psicólogos da secretaria para assistência à professora e à comunidade escolar.

Ainda em nota, a SEC destacou que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) assegura o respeito à liberdade e o apreço à tolerância, além de garantir o livre exercício da docência. A secretaria também reafirmou que os conteúdos ministrados pela professora em sala de aula estão em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Referencial Curricular do Estado e são acompanhados pela Coordenação Pedagógica da escola.

A SEC ainda disse que acompanha o caso e manifestou solidariedade à professora e ao corpo docente, bem como reafirmou o compromisso com a livre docência, a pluralidade de ideias, o livre debate e a democracia.

Veja mais notícias do estado no g1 Bahia.

Grupo protesta em defesa da liberdade acadêmica após professora ser intimada por 'doutrinação feminista' na BA

Divulgação/APLB

Assista aos vídeos do g1 e TV Bahia ????

Ouça 'Eu te explico' ????

Fonte: G1

Comunicar erro
pedagogia
host gator

Comentários

Concursso